segunda-feira, 24 de abril de 2017

Pregador mirim? O que é isso?


Resultado de imagem para pregador mirim

Observo algumas pessoas postando crianças pregando, "falando em línguas" e até "profetizando"... Bom, aqui vai a minha opinião sobre isso.

Respeito quem pensa ao contrario, mas o sábio salomão disse uma verdade: "Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu" Eclesiastes 3:1.

Criança deve ser criança, deve se portar como criança, andar como criança, falar como criança, e principalmente brincar como uma criança, Não podemos acelerar o processo de crescimento de uma criança, não podemos trona-la adulta antes do tempo certo, só porque achamos isso bonitinho ou "espiritual".

Paulo disse: "Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino" 1 Coríntios 13:11.

Paulo está nos ensinando que há tempo de ser criança e tempo de ser adulto... Criança age como criança e adulto age como adulto.

O que observo é que na maioria dos casos essa crianças "pregadoras" apenas estão imitando os adultos. Algumas apenas são influenciadas pelo meio em que vivem e geralmente percebem que se agirem assim serão aceitas e admiradas por aquele grupo que espiritualiza tudo, outras são de forma indireta forçadas a ter esse comportamento com o argumento que Deus as quer assim. Mas, infelizmente, com isso perdem uma parte da sua infância e o triste é que o tempo não volta mais.

Sabemos que toda criança gosta de imitar adultos e isso é normal dentro do seu desenvolvimento e crescimento, mas isso deve ficar no campo da brincadeira.

A coisa, as vezes, é levada tão a sério que vemos meninos menores de 10 anos de terno e gravata, com agenda feita, com compromisso para pregarem em congressos e igrejas. Meu Deus!!! O que é isso? Meninas cantoras e até "profetas" com responsabilidade de ministrarem nas igrejas, incentivadas por um publico que delira e fazem barulho de alegria ao vê-las atuando. Tudo isso com aval de líderes, porque acham bonitinho, engraçadinho ou mesmo que é "Deus" usando. Será?

Crianças que não sabem e nem entendem ainda os ensinamentos e princípios bíblicos, outras que não sabem nem onde está o livro de Oseias na bíblia, mas já estão usando os púlpitos como se fossem Ministros de Deus para ensinar e pregar as verdades do Evangelho.

Me desculpe a sinceridade, mas ao imitar os adultos perceberam que se falarem meia duzia de "línguas estranhas", algumas palavras de efeito, chavões, e dizer o que o povo adora ouvir, como, "Deus vai te abençoar"... Pronto é suficiente para a aceitação de todos.

Antes de serem líderes, pregadores, profetas, ensinadores, etc; antes de realizarem algo para o Senhor Deus, seus escolhidos tiveram que ser amadurecidos, preparados, moldados, etc. Que diga Moises, Davi, Paulo, os Apóstolos, e muitos outros.

Veja que interessante a infância de Jesus é simplesmente ignorada pelas Escrituras. Sua aparição aos 12 anos no templo aprendendo era necessário, pois a Lei impunha essa obrigação ao menino que completasse 12 anos, veja Jesus cumpriu toda a Lei, então o relato era importante. Depois disso só veremos Jesus aos 30 anos, quando completa a maioridade sacerdotal e só então começa seu ministério.

Concluo dizendo, deixa a criança ser criança. Dá uma bola, uma boneca, um brinquedo a essa criança. Deixa as coisas fluírem naturalmente. Se a tal criança tem chamada de Deus para exercer algo ou realizar algo no reino de Deus, as coisas acontecerão no tempo certo, quando estiverem maduras o suficiente. E isso significa no tempo de Deus. É isso.

Recomendo a leitura do artigo do Pr. Marcos Tuler (pedagogo, escritor, conferencista e reitor da FAECAD - Faculdade de Ciência e Tecnologia da CGADB), no site: http://prmarcostuler.blogspot.com.br/2010/01/blog-post.html

"... Cantores, pregadores e mestres mirins. Muitas crianças têm perdido a infância por conta de certos “educadores” que no intuito de realizarem nelas o que gostariam para si mesmos, podam-lhes a alegria, a imaginação, a inventividade e o divertimento. Às vezes, são pais que gostariam de ser cantores, pregadores ou professores de escola dominical, mas que por falta de vocação natural, ou até mesmo de uma chamada divina específica, projetam nos filhos, seus sonhos ou objetivos não-realizados...". Pr Marcos Tuler (extraído do site acima).

Pr Pedro Pereira

OS PERIGOS DA ADULTIZAÇÃO INFANTIL


Por: Marcos Tuler

“Tudo o que será aprendido deve ser disposto segundo a idade, para que nunca se ensine nada que não possa ser compreendido”. (Comenius – Didática Magna)


“O aprendizado depende do nível de desenvolvimento do indivíduo. Ele não pode aprender o que suas estruturas cognitivas ainda não podem absorver” (Piaget).

“Quando eu era criança falava como criança, sentia como criança, discorria como criança” (1 Co 13.11).

INTRODUÇÃO

Hoje em dia, as crianças estão se comportando como se fossem “pequenos adultos”. Cada vez mais cedo, elas assumem responsabilidades, disputam posições em determinadas atividades, buscando múltiplas competências. Desprotegidas, recebem de forma direta a influência de uma sociedade que exige seres perfeitos. 
Como se isso não fosse bastante, muitos pequenos sentem o peso das exigências de “gente grande” como a falta de dinheiro ou o problema do desemprego na família. 
Esse seminário tem por objetivo questionar a adultização da criança nos dias atuais, discutir suas principais causas e consequências, e apontar a necessidade de mobilização de toda sociedade, especialmente a cristã, a fim de resgatarmos a infância perdida de nossas crianças. O que podemos fazer como cidadãos, pais e educadores cristãos, diante desse processo de adultização da infância? Afinal, o que é infância?

I. A INFÂNCIA CONSIDERADA HISTORICAMENTE

1. A infância na Idade Média.
Até o século XVI, as crianças eram vistas como “adultos em miniatura”; símbolo da força do mal; um ser imperfeito esmagado pelo peso do pecado original, ou simplesmente um companheiro natural do adulto. 
Neste sentido, a infância era concebida apenas como um percurso para a vida adulta. Uma visão negativa, pois, nesta idéia, a criança seria um ser inacabado; sem nada específico e original, sem valor positivo. 

2. A infância resgatada nos tempos modernos.
No decorrer da história da infância aconteceram diversas transformações do pensamento social em relação á família e á própria infância. A partir do século XVI começa a surgir na sociedade o sentimento e a idéia de infância. A criança, antes relegada ao último plano, passou a conquistar seu espaço social. Desde então, surgiram várias pesquisas fortalecendo o reconhecimento cultural dos pequenos. 
Dentre os pesquisadores, Jean Jaques Rousseau (séc. XVIII) merece notoriedade. Em sua obra “Emílio”, na qual defendeu a criança como detentora de uma natureza própria que deve ser desenvolvida, assim asseverou: “A infância é, também a idade do possível. Pode-se projetar sobre ela a esperança de mudança, de transformação social e renovação moral”. E tal visão, perpetuou-se ao longo dos tempos ainda que de forma não linear.

3. A infância nos dias de hoje.

A idéia de infância ressurge fortemente com a sociedade capitalista, urbano-industrial, na medida em que muda a inserção e o papel social desempenhado pela criança na comunidade. 
No decorrer dessas transformações e devido ao amadurecimento do pensamento social, a criança passou a conquistar seu reconhecimento na sociedade. A segunda metade do século XX é considerada o período da legitimação do direito da criança. Ela deixa de ser uma “criança-adulto”, para ser um sujeito social. Todavia, é preciso destacar que junto a essas conquistas de reconhecimento dos direitos da criança e sua valorização surgiram também determinadas condições. A mesma sociedade que legitima esse ser social usa de poder para manipulá-lo e sujeitá-lo às novas correntes de pressão social. O cenário da criança hoje, devido a diversas circunstâncias, aponta para uma infância a caminho do desaparecimento. Uma fase que após anos de construção, encontra-se em processo de extinção. 

II. OS VILÕES DA INFÂNCIA

Durante muitos séculos a sociedade agiu de maneira indiferente com relação à infância. As crianças, de maneira muitas vezes sutil ou subliminar, são pressionadas a serem pequenos adultos. Imitam hábitos e costumes dos adultos e muitas vezes já nem sentem alegria pela infância, seu desejo é alcançar a maioridade. 

1. As mídias, de modo geral. Em se tratando de poder, as mídias são atualmente fortes instrumentos de influência e manipulação na educação e construção desses novos seres “adultizados”. No Brasil, as músicas que as crianças cantam, não são mais tão infantis. As maquiagens, roupas e calçados copiam o adulto como se os gostos fossem os mesmos. As danças sensuais e canções com palavras obscenas já fazem parte do repertório preferido dos pequenos. Meninas usam roupas e objetos que estimulam a sexualidade precoce, assistem aos mesmos programas de televisão e falam a mesma linguagem dos adultos. Garotinhas usam salto alto e meninos de apenas cinco anos de idade já querem se vestir como adultos e já não aceitam usar roupas que possuam qualquer desenho infantil que os faça parecer crianças. Abraçar e pegar na mão do filho é considerado motivo de vergonha. Crianças trabalham e apresentam programas de televisão.

2. Videogames e filmes. Os jogos infantis também mudaram, a diversão agora são os videogames e os filmes repletos de violência. Os brinquedos já vêm prontos, tudo é industrializado, só é preciso manusear. Campeonatos infantis é atração para os pais, que cobram dos filhos ótimos resultados de placar. E quanto a alimentação não há mais distinção entre o lanche do adulto e da criança, todos devem saborear os deliciosos "hambúrgueres" em qualquer tempo. Sem falar da literatura infantil que também está mudando. Até as ruas que antigamente eram lugar de socialização, hoje refletem a falta de relacionamento e interação entre pessoas. 

III. REAIS OBJETIVOS DA ADULTIZAÇÃO

Mas afinal, qual a razão de se negar às crianças a alegria das brincadeiras espontâneas? Por que lhes podar a criatividade de fabricarem seus próprios brinquedos? Qual o motivo da sociedade aplaudir tudo isso como se fosse algo natural?

1. Interesse econômico. O fato inegável é que há um interesse econômico por detrás desta realidade. Uma intenção que possui um objetivo: educar as crianças a serem consumidores em potencial. Educar para o consumo e para a submissão de idéias. Produzir consumidores mirins que satisfarão cada vez mais os desejos desse sistema que insiste em condicionar o verdadeiro sentido da infância ao status, dinheiro e mecanização. As crianças estão sendo pressionadas a crescerem depressa, quando na verdade deveriam respeitar seu processo de desenvolvimento, pois não pensam, não sentem nem aprendem como os adultos. Elas precisam de tempo para crescer e pressioná-las a viver como adultas só produzirão seres com dificuldades, inseguranças e conflitos no futuro. 

IV. ADULTIZAÇÃO NO ÂMBITO DA IGREJA

1. Cantores, pregadores e mestres mirins. Muitas crianças têm perdido a infância por conta de certos “educadores” que no intuito de realizarem nelas o que gostariam para si mesmos, podam-lhes a alegria, a imaginação, a inventividade e o divertimento. Às vezes, são pais que gostariam de ser cantores, pregadores ou professores de escola dominical, mas que por falta de vocação natural, ou até mesmo de uma chamada divina específica, projetam nos filhos, seus sonhos ou objetivos não-realizados. 
Quem nunca viu um menino com menos de dez anos vestido de terno e gravata, cantando, pregando ou dirigindo um culto. E na escola dominical, quantas meninas e meninos são colocados à frente de uma turma, quando na realidade, deveriam estar aprendendo em uma classe de sua faixa-etária.

V. O QUE É SER CRIANÇA? O QUE DIZ A PEDAGOGIA ATUAL?

Na verdade, o que se fala hoje a respeito da infância não condiz com a realidade das nossas crianças, nem com o que fazemos com elas. 
É preciso resgatar a verdadeira infância, na qual há um mundo de fantasia, imaginação, criatividade e brincadeiras. Aqui entra o papel do pedagogo cristão, pois como estimulador do conhecimento, poderá trazer para o espaço da escola dominical desafios e valores que conduzam seus alunos a descobrirem a verdadeira identidade da criança segundo os ensinamentos da Bíblia. 
Poderá trabalhar dentro dos estágios de desenvolvimento da criança, incentivá-la na leitura da vida e não apenas da palavra, estimulando-a a ler nas "entrelinhas" e a constituir-se como um cidadão capaz de transformar sua própria realidade. Como educador evangélico poderá também questionar junto aos educandos a postura das mídias e se posicionar como um instrumento iluminador de pensamentos e idéias. 
Aqui entra a intervenção dos pais, professores de escola dominical, pastores, e de toda a sociedade, que precisa romper com os muros do doutrinamento consumista. Devemos exigir dos setores sociais, inclusive da própria família, da igreja e dos setores de comunicação, uma educação que valorize mais o ser do que o ter. Uma censura a ser respeitada, digna do público infantil e até a criação de um código de defesa do telespectador ou leitor de mídias. É preciso acreditar numa educação de qualidade para todos, a qual prepare as crianças para conhecer, fazer, ser e conviver. 

CONCLUSÃO

A história da criança não deve retroceder a um passado de isolamento, e sim estabelecer-se como a história de um sujeito possuidor de direitos, inclusive o direito de voz e o de não ser manipulado pelos adultos. Está-nos proposto o desafio: protegeremos a infância ou continuaremos a reproduzir os interesses de um sistema que insiste em nos dominar?

Pr. Marcos Tuler é pedagogo, escritor, conferencista e reitor da FAECAD (Faculdade de Ciência e Tecnologia da CGADB).

Extraido do Blog do Pr Marcos Tuler

sábado, 15 de abril de 2017

O colarinho clerical / Terno e gravata







Voce sabia que o colarinho clerical foi criado pelo Rev. Dr. Donald McLeod, pastor presbiteriano, da Igreja da Escócia? (Conforme informação publicada pela "Church of England's Enquiry Centre" em 1894).

Normalmente, é utilizado pelas igrejas Luterana, Metodista, Nova Vida e as Episcopais. O colarinho clerical foi elaborado com a finalidade do uso eclesiástico por parte do ministro evangélico, e posteriormente copiado pela igreja católica a partir do Concílio Vaticano II, por influência dos jesuítas.

Assim como no Mundo Antigo os servos (escravos) possuíam um colar de ferro em volta do pescoço, os ministros evangélicos que utilizam o colarinho clerical estão declarando publicamente que são servos Daquele que os convocou, o Senhor e Sua Sagrada Escritura. Por essa razão o colarinho clerical é branco, porque fala da santidade do Senhor e de Sua Palavra na garganta de seu servo.

A Assembléia de Deus e outras igrejas protestantes adotaram o terno e a gravata como vestimenta do Ministro. Todos sabemos que o terno e a gravata não são roupas espirituais, da mesma forma o colarinho clerical.

Porém, são apenas roupas usadas por Ministros e que possuem um símbolo importante; por isso, são usadas em ocasiões formais e celebrações religiosas. É isso.

Pr Pedro Pereira

terça-feira, 4 de abril de 2017

Retété ou repléplé... Mas o que é isso?


"Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino". (1 Coríntios 13:11)

Uns dizem “reteté”, e outros, “repleplé”. Bom, o certo é que ninguém sabe o que significam essas expressões onomatopaicas, que inclusive eu acho que devem ter se originado, infelizmente, de uma brincadeira de péssimo gosto com as línguas estranhas, usadas para identificar pretensos "cultos pentecostais".

O termo “reteté” não consta de dicionários oficiais. Mas, já li várias tentativas de se explicar a origem dessa palavra, porém há quem diga que teve origem no italiano, ou seja, relacionado com a culinária italiana, o que significaria: “mistura”, “movimento”, “reboliço”, “festa”, “aquilo que foge da normalidade”, etc. O que sabemos é que essa expressão esdrúxula faz o maior sucesso no meio "pseudopentecostal".

Nas reuniões em que ocorre a "unção do reteté", os “hinos” são apresentados em ritmos como axé, com batuques que lembram reuniões de candomblé, e muito forró, até pelo fato de serem mais apropriadas para o tal retété. Daí pessoas rodopiam, correm de um lado para o outro, caem, riem, berram, fazem o tal "aviãozinho", etc.

O perigo disso é que muitas vezes, e em muitos lugares, não se trata apenas de uma meninice. Em muitos casos, existe, inclusive, influência maligna (cf. 1 Tm 4.1); e que é aceita e incentivada por obreiros neófitos que não estudam as Escrituras, deixando de observar a ordem do culto, que está escrito em 1 Coríntios 14. Observe:

"... Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento... Se, pois, toda a igreja se congregar num lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou infiéis, não dirão porventura que estais loucos?... Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus... E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos... Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor. Mas, se alguém ignora isto, que ignore. Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar, e não proibais falar línguas. Mas faça-se tudo decentemente e com ordem". (1 Coríntios 14: 20,23,28,32,33,37-40). É isso.

Sola Scriptura

Pr Pedro Pereira

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Não confunda Natal de Cristo com Natal Secular.

Fico observando alguns "entendidos" verberando contra o Natal Cristão, mas seus argumentos são contra o Natal Secular e nada disso tem a ver com o Natal de Cristo, vejamos:

Alegam que Jesus não nasceu em Dezembro, o que concordo, dando possíveis datas como: Março/Abril, por ocasião da morte do cordeiro pascoal; e Setembro/Outubro, por ocasião do dia da Expiação; portanto não comemoram o Natal de Cristo em Dezembro. A pergunta é, Então vocês comemoram o natal em abril ou setembro? NÃO!!!!???

Alegam que no dia 25 de dezembro se comemorava uma festa pagã. Ora, no seculo IV DC, a igreja substituiu uma festa pagã, comemorada ao deus sol, pelo Natal de Cristo, e isso foi muito bom. Os pagãos adoravam um deus falso, então a igreja mostrou a eles que deveriam comemorar o nascimento do Deus verdadeiro mostrando-lhes a Cristo... Será que isso é ruim? Quem estava em trevas veio para a luz, foi isso. Deixaram de adorar um deus falso e começaram a adorar um Deus verdadeiro, que é Cristo Jesus. Parabéns a igreja cristã da época.

Alegam que o Natal tem papai noel, gnomos, duendes, consumismo, comilança, etc. Meus amigos!! Não confundam Natal Cristão com o Natal Secular; para o Cristianismo o Natal é para celebrarmos o nascimento de Cristo, foi a data estipulada e aceita em todo o mundo cristão, haja vista não sabermos a data real do seu nascimento... O mais importante aqui não é o dia, mas o ato de celebrar o Nascimento do Deus encarnado; não há data mais propícia para anunciarmos a Cristo o salvador que se encarnou para redimir o homem perdido. Nosso Natal cristão não se limita em presentes e consumismo, mais em aproveitar o sentimento cristão no mundo e anunciar o verdadeiro sentido do Natal Cristão, que é Cristo o Salvador do Mundo.

Alegam que na bíblia não está escrito para comemorar o Natal. Meu Deus!!! E onde está escrito a sua proibição? Muitas coisas também não estão escritas diretamente em forma de ordenanças ou proibições, vejamos: Onde está escrito para se comemorar o seu aniversário? Mas você comemora. Onde está escrito para se comemorar o aniversário da Igreja, do Pastor, do casamento, do circulo de oração, do conjunto musical da sua igreja, etc? Mas nós comemoramos, não é? Pois é, meu amigo já no dia do nascimento do Messias, o Cristo salvador os homens deram pouca importância, a semelhança de muitos hoje, então Deus mandou os anjos do céu virem na terra comemorar o nascimento do seu filho: "Ora, havia naquela mesma comarca pastores que estavam no campo, e guardavam, durante as vigílias da noite, o seu rebanho. E eis que o anjo do Senhor veio sobre eles, e a glória do Senhor os cercou de resplendor, e tiveram grande temor.
E o anjo lhes disse: Não temais, porque eis aqui vos trago novas de grande alegria, que será para todo o povo: Pois, na cidade de Davi, vos nasceu hoje o Salvador, que é Cristo, o Senhor. E isto vos será por sinal: Achareis o menino envolto em panos, e deitado numa manjedoura. E, no mesmo instante, apareceu com o anjo uma multidão dos exércitos celestiais, louvando a Deus, e dizendo: Glória a Deus nas alturas, Paz na terra, boa vontade para com os homens". Lucas 2:8-14.

Em suma, Natal de Cristo nada tem a ver com o Natal secular, onde se apresenta com papais noéis, gnomos, duendes, etc; mas tem a ver com o grande plano da salvação, o envio do messias esperado, do filho de Deus encarnado que veio para salvar o mundo. A data é propícia para falar de Cristo, pregar sobre Cristo, cantar sobre Cristo, apresentar a esse mundo sem Cristo, o Cristo que Salva o pecador perdido - "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna". João 3:16.

Nesse período as famílias se reúnem, o amor e a paz, bem como a generosidade estão em evidência. Aproveitemos a oportunidade para falarmos sobre a importância da família nos planos de Deus, o exercício da paz e do amor durante o ano inteiro, o como é melhor dar do que receber, numa geração onde as pessoas só pensam em si mesmas.

Nunca na história da igreja se contestou o Natal de Cristo, mas dos anos 90 pra cá, com argumentos de pseudos cristãos, como por exemplo os Testemunhas de Jeová, alguns incautos começaram a criticar e proibir a comemoração do Natal, com argumentos de um cristianismo desequilibrado e farisaico. Que voltem as cantatas de Natal, as apresentações cristãs sobre o nascimento do filho de Deus, que voltem os cultos de agradecimento pelo Natal.

Lembre-se o mais interessado em não falar do nascimento do salvador e sua encarnação é o espírito do anti cristo que já está entre nós: Porque já muitos enganadores entraram no mundo, os quais não confessam que Jesus Cristo veio em carne. Este tal é o enganador e o anticristo". 2 João 1:7.

Obrigado meu Deus pelo nascimento do seu Filho. Feliz Natal de Cristo, a todos.

 Pr Pedro Pereira

domingo, 6 de novembro de 2016

Pregues a Palavra...

"Que pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina". 2 Timóteo 4:2


"Que pregues a palavra..." O apóstolo Paulo orienta o pastor Timóteo, seu aluno, a pregar a Palavra. O que é pregar a Palavra?

Nesses últimos dias queridos temos ouvido de tudo, menos a pregação da PALAVRA, que pena...

Pregar a Palavra significa falar o que a bíblia diz e não o que eu quero dizer, ou o que eu entendo que ela diz. Pregar a palavra é mais do que usar "jargões", palavras de efeito, gritarias histéricas e gestos teatrais. Pregar a palavra é ser fiel ao texto, trazer ao povo a vontade de Deus e não a minha vontade.

Pare de usar o altar para: desabafo pessoal, atacar pessoas, falar de coisas secundárias e sem importância eterna, ou ainda falar de doutrinas de homens (Cl 2.20-23). Não podemos suportar alguém que se diz porta voz de Deus dizer tudo menos a verdadeira Palavra de Deus, pois o que é de Deus está baseado na sua Palavra.

Pastor, como eu posso distinguir o que é Palavra de Deus e o que é palavra de homem? Ora é simples, sejamos bereanos, faça a pergunta: Está escrito? Onde esta escrito? Se for de Deus está nas Escrituras (At 17.11; Mt 22.29). Lembre-se ninguém por mais querido, carismático, e influente que seja, pode estar acima das Escrituras (sola scriptura).

A palavra de Deus é tão rica, Ela é um poço sem fundo, contém verdades eternas como: arrependimento, regeneração, santificação, arrebatamento da igreja, consolo, provisão, perdão, amor, comunhão, graça, livramento, ajuda do alto, misericórdia, soberania de Deus e tantas outras coisas relevantes e eternas.

Fica aqui a dica do teólogo por excelência, o apóstolo Paulo: "... Que pregues a Palavra... com toda longanimidade e doutrina (ensino)..." 

É isso.

Sola Scriptura

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O JEJUM NO TEMPO DA GRAÇA

“E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão. Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente”. Mt 6.16-18

“Então, chegaram ao pé dele os discípulos de João, dizendo: Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam? E disse-lhes Jesus: Podem porventura andar tristes os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? Dias, porém, virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão”. Mt 9 14,15

Esses dois textos e alguns outros nos trazem princípios Neotestamentário sobre o Jejum. 

Etimologicamente, jejum é a "privação ou redução de alimentos ou refeições durante o dia ou outro período de tempo por penitência". 

Já o Jejum Bíblico é uma abstinência voluntária de alimentos por um período definido e propósito específico. Ele pode ser total ou parcial. 

O Jejum ritualístico era aquele praticado pelo povo judeu com caráter obrigatório e mecânico, como por exemplo, no dia da expiação onde todo o povo jejuava por força da Lei. Jesus condenou esse tipo de jejum sem propósito definido e obrigatório que era de forma genérica praticado pelo povo judeu no antigo Testamento.

Jesus, porém ensina seus discípulos, como súditos do Reino de Deus, os princípios que norteiam o Jejum Cristão, vejamos:

Primeiro princípio que norteia o jejum cristão

“Então, chegaram ao pé dele os discípulos de João, dizendo: Por que jejuamos nós e os fariseus muitas vezes, e os teus discípulos não jejuam? E disse-lhes Jesus: Podem porventura andar tristes os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? Dias, porém, virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão”. Mt 9.14,15

Neste texto Jesus é indagado do porque que seus discípulos não jejuavam, pois alegavam que os fariseus e os discípulos de João Batista jejuavam. Jesus então os ensina: “... Podem porventura andar tristes os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles?”. Jesus era o esposo, Jesus estava com eles, portanto era momento de alegria e não de tristeza. Jejum remete dias de luto, tristeza, contrição, etc. Jesus é o pão que desce do céu, é o salvador, o ajudador, a comunhão entre ele e seus discípulos era estreita, logo Jejuar não tinha lógica. E prossegue dizendo: “... Dias, porém, virão em que lhes será tirado o esposo, e então jejuarão”. 

Aqui está o primeiro principio que norteia o Jejum. O Jejum é uma causa de exceção, deve ser praticado em dias de necessidade. Necessidade de mais comunhão, em dias difíceis, em dias de muitas provações, com a intenção chamar a atenção de Deus em nosso favor. Jesus havia alertado seus discípulos que depois da sua partida eles seriam perseguidos e viveriam dias de muitas aflições (Mt 24.9; 10.18,22; Jo 16.33). 

Segundo princípio que norteia o jejum cristão

“E, quando jejuardes, não vos mostreis contristados como os hipócritas; porque desfiguram os seus rostos, para que aos homens pareça que jejuam. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão...” Mt 6.16

Neste texto Jesus orienta que o Jejum deve ser praticado com naturalidade, não deve ser praticado com intuito de ser visto pelos homens. Os Fariseus costumavam jejuar publicamente e para serem vistos pelos homens se descabelavam, ficavam caídos nas calçadas, tinham expressão de sofrimento em seus rostos. Com isso chamavam a atenção das pessoas, que passavam a comentarem o quanto eles eram “santos” e “espirituais”; e isso massageava o ego dos fariseus, dando-lhes um status de homens santos e espirituais. Jesus, porém, disse: “Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão”. Agindo assim não receberiam nada de Deus, pois seus propósitos eram apenas serem aclamados pelos homens. 

O jejum deve ser praticado com discrição e a intenção deve ser espiritual, veja:

“... Tu, porém, quando jejuares, unge a tua cabeça, e lava o teu rosto, Para não pareceres aos homens que jejuas, mas a teu Pai, que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente”. Mt 6.17,18

Portanto, o segundo princípio que norteia o jejum cristão é que o jejum deve ser praticado com discrição, em secreto, e com propósitos espirituais e não por aparência, e não para se mostrar mais santo do que outros.

Terceiro princípio que norteia o jejum bíblico

“E, quando jejuardes...”; “... Tu, porém, quando jejuares...”.

Veja que a expressão “quando” denota que nós os cristãos precisaremos em algum momento na nossa vida jejuar, mas não por imposição da Lei e sim por voluntariedade. O Jejum não pode ser ritualístico, de forma mecânica, mas por consciência voluntaria, sabendo que chegou o momento em que preciso jejuar, com um propósito especifico e espiritual.

O terceiro princípio, portanto nos mostra que o jejum cristão “quando” praticado deve ser de forma voluntária e não por imposição legal, como algo obrigatório ou ritualístico.

Paulo, orientando sobre o casamento, nos mostra a necessidade do jejum ser voluntario e consensual entre o casal, ou seja, se um dos cônjuges quiser se privar por um período de tempo, de relações sexuais, por motivo de estar jejuando, isso deve ser feito com a aprovação mútua:

Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência”. I Co 7.5

Isso só reforça a ideia de que o jejum é um ato voluntário e não ritualístico obrigatório ou legalista.

Quarto princípio que norteia o jejum cristão

“Mas esta casta de demônios não se expulsa senão pela oração e pelo jejum”. Mt 17.21

Jesus orienta seus discípulos que o jejum é um grande reforço para a oração. Existem situações que a oração deve ser acompanhada pelo jejum, como reforço. 

Não devemos entender aqui que o jejum é uma poção mágica, um ritual poderoso para expulsar demônios. A regra básica e neotestamentária para se expulsar demônios é a oração, com a autoridade do nome de Jesus (Mc 16.17). Porém, naquele dia os discípulos oraram e o demônio não fora expulso, mas ao chegar Jesus o pai do menino reclama que seus discípulos haviam falhado, Jesus então expulsa aquele demônio, agora envergonhados seus discípulos o interrogam do motivo de não terem conseguido expulsar aquele demônio, foi então que Jesus os orienta que há castas de demônios que exigem de nós oração com reforço, ou seja, com jejum.

Para entendermos melhor sobre isso precisamos compreender que o jejum, traz muitos benefícios espirituais, ou seja, ao praticar o jejum, como reforço da oração, estamos nos privando de alimentos que é o nosso prazer, isso fala de renúncia. Outras virtudes é o desenvolvimento da paciência, do equilíbrio no espírito, a contrição, a meditação, o crescimento espiritual, a dependência de Deus mais acentuada, etc. Tudo isso aponta para uma vida mais espiritual e santificada, com a ajuda do Espírito Santo. 

Nesse sentido Jesus ensina seus discípulos que com uma vida mais consagrada, a oração é mais eficaz, não pela oração ou o jejum em si, mas por que Deus se agrada de nós ao procurarmos ter uma vida mais próxima Dele.

Portanto, o quarto princípio é que o jejum cristão é um grande reforço da oração. Lembre-se, o jejum, em si, não expulsa demônio, quem expulsa demônio é a autoridade do nome de Jesus, mas uma vida mais consagrada nos aproxima de Deus e nos dá autoridade para usar esse nome poderoso de Jesus. 

Quinto princípio que norteia o jejum cristão

O jejum cristão não deve ser visto como algo meritório, recurso de barganha ou troca. Deus não é obrigado a atender alguém pelo simples fato de que esse alguém jejuou.

O princípio maior que norteia toda a Escritura é o da Soberania de Deus. Ele faz o que quer, da forma que quer, e quando quer, dentro do seu propósito divino. 

A exemplo disso temos o episódio em que Davi jejuou por sete dias para que seu filho não morresse, mas seu filho morreu. Então Davi reconhecendo a soberana vontade de Deus encerra o jejum e vai adorar a Deus (II Sm 12. 16-23). Essa passagem está no Antigo Testamento, mas é válida ainda hoje como principio divino.

Tudo que Deus faz a nosso favor é pela sua graça infinita. O jejum como antes disse é apenas um reforço da oração e não produto de troca ou barganha com Deus.

Portanto, o quinto princípio é que o jejum não é produto para troca ou barganha com Deus, mas sim um aliado da oração, pois em primeiro lugar o que se deve levar em conta é a soberana vontade de Deus.

Nossa oração acompanhada ou não do jejum deve ser regida por uma disposição ensinada por Cristo: "... todavia não se faça a minha vontade, mas a tua". Lc 22.42

Concluo, dizendo que a pratica do jejum deve ser realizada nos nossos dias, norteada não pela Lei, mas pelos princípios ensinados por Cristo, ou seja, com propósitos espirituais, com discrição, por voluntariedade, como reforço da oração e nunca como objeto de barganha. É isso.


Pr Pedro Pereira